Escolha uma Página

Shitake ou shimeji: qual a sua entrada favorita?

Shitake

Os cogumelos têm ganhado cada vez mais espaço no coração dos brasileiros, fazendo com que a escolha por shitake ou shimeji fique ainda mais difícil.

Versáteis e quase que unânimes entre os apreciadores de comida japonesa, ambos agradam pela textura e chamam a atenção pelo sabor. Mas você sabe a diferença entre essas duas entradas tão famosas – e deliciosas?

Shimeji

Com um aroma agradável e textura mais crocante, o shimeji é amplamente utilizado como entrada quente em rodízios japoneses, cozidos ou na manteiga.

Como existem diferentes tipos de shimeji disponíveis no mercado – como o branco e o preto, por exemplo, que se diferenciam pela delicadeza e sabor -, ele também é considerado um elemento-chave em sopas, tempurás, yakisobas e temakis.

Shitake

Considerado por muitos o “Rei dos Cogumelos”, o Shitake é um dos cogumelos comestíveis mais consumidos no mundo. Com uma textura mais firme e um gosto mais amadeirado, ele chama a atenção por sua grandiosidade em termos de tamanho – alguns podem ser encontrados com uma circunferência de 4 a 10 centímetros.

Além disso, o shitake pode ser comprado fresco ou desidratado. Não à toa, é bastante utilizado como base para caldos e sopas ou em cozidos.

Conheça os benefícios do shitake e shimeji

Os chamados cogumelos comestíveis são cultivados na Ásia há mais de mil anos. Tanta história traz aos produtos a fama de “alimento da longevidade”, especialmente devido a grande concentração de fibras, vitaminas e minerais.

Muito versáteis, o shitake e o shimeji são grandes aliados de quem procura uma alimentação leve e balanceada, além de serem uma ótima opção para quem não come carne vermelha em termos de nutrientes.

Afinal, eles são ricos em vitaminas do complexo B, E e C, além de cálcio, ferro, potássio e fibra, que ajudam na digestão e possuem forte ação anticancerígena. Mas as vantagens não param por aí!

Os alimentos também ajudam a controlar a anemia, reduzem o risco de Alzheimer, hipertensão e doenças cardíacas, além de serem amplamente recomendados para gestantes, devido à presença de ácido fólico em sua composição.

Não importa a sua escolha! No Djapa, você pode provar shitake e shimeji à vontade. Fritos na manteiga e servidos com cebolinha, garantem uma experiência única aos apreciadores de uma boa comida japonesa.

 

Onde saborear as melhores entradas quentes de São Paulo?

Você pode conferir dezenas de opções da culinária japonesa e escolher entre shitake ou shimeji – ou os dois – no Djapa!

Eleito um dos melhores rodízios de comida japonesa pela revista Veja Comer & Beber São Paulo 2018/2019, o restaurante Djapa oferece um sistema inovador de rodízio com pratos tipicamente orientais, incluindo ostras, camarão, lula, entre outros.

O Djapa nasceu em 2004, na cidade de Arujá, região metropolitana de São Paulo. Anos depois, inaugurou sua segunda unidade, em Mogi das Cruzes (SP), e em 2014 chegou à capital paulista, com a casa de Moema, zona sul de São Paulo.

Com ambiente aconchegante e uma equipe sempre empenhada em atender bem, o Djapa funciona diariamente, no almoço e no jantar, com cardápio tradicional completo, menu executivo e vegetariano.

Além do reconhecimento da revista Veja, o Djapa foi escolhido como o restaurante japonês número 1 de São Paulo pelas avaliações do site TripAdvisor e ganhou o prêmio de melhor rodízio de comida japonesa da capital paulista pela revista Go Where Gastronomia e pela rádio Jovem Pan em 2019.

 

Se preferir, faça seu pedido pelo delivery!

As unidades Moema, Mogi e Arujá do Djapa atendem você pelo Biz Food! Para fazer seu pedido no Djapa Mogi, clique aqui.

Se você está mais perto da unidade Moema, clique aqui.

E para pedir os pratos do Djapa Arujá, clique aqui.

Você também pode fazer seu pedido pelo aplicativo iFood, escolhendo pratos das unidades Moema e Mogi.

Outra opção é pedir pelo telefone e retirar diretamente no restaurante, em horário agendado e com toda segurança. Contate-nos: 11 4726-8773 e 4726-5997 (Djapa Mogi) e 11 2691-2003 e 11 2691-2004 (Djapa Moema).

0 comentários