Escolha uma Página

10 curiosidades sobre o peixe cru

Peixe cru

O peixe cru é um dos ingredientes mais emblemáticos quando se fala em culinária japonesa. Rigorosamente selecionado e fatiado, o alimento tem sabor único para as pessoas que já estão acostumadas com a sua textura em pratos como sushi e sashimi.

Juntamente com outros ingredientes, o peixe cru deixa o prato visualmente belo, um diferencial a mais para aqueles clientes que amam comer primeiro com os olhos.

Analisando o prato pronto até pode parecer simples cortar o peixe cru. Mas a verdade não é essa. Existe uma série de cuidados que deve ser tomada para que a iguaria chegue perfeita na mesa do restaurante ou na casa do cliente.

LEIA MAIS: Comida japonesa: entenda os principais pratos 

 

Curiosidades sobre o peixe cru que você precisa conhecer

Certamente há muitas coisas que os apreciadores de peixe cru não sabem a respeito dele. Por isso, separamos algumas informações especiais para divertir e informar a respeito de vasto universo da culinária japonesa. Confira:

1 – Peixe não tem cheiro. Muito cuidado: o odor pode estar relacionado à carne passada ou em decomposição.

2 – Uma antiga técnica oriental conservava o peixe cru durante meses em um monte de arroz avinagrado. Na hora de comer, o arroz era descartado.

3 – O peixe cru usado no sushi e no sashimi deve ser consumido imediatamente, pois a carne oxida quando exposta ao ar.

4 – Para apreciar melhor o sabor do peixe cru, recomenda-se molhar apenas uma parte do alimento numa mistura de shoyu e wasabi.

5 – As tiras de pepino e nabo que costumam acompanhar o prato de sashimi, além de decorar, ajudam na digestão da carne.

6 – Os cortes realizados de peixe cru devem ser rápidos e precisos, pois o calor das mãos pode comprometer o formato.

7 – São utilizadas até sete facas diferentes para o preparo do sushi. O utensílio tem como inspiração as espadas dos samurais.

8 – As facas utilizadas para o corte de peixe cru são amoladas constantemente e apenas de um lado.

9 – É o deslizar da faca bem amolada que permite o corte perfeito do peixe cru. Não é usada a força no processo.

10 – O corte do peixe cru é feito da esquerda para a direita, sempre com a faca em diagonal.

Percebeu quantas particularidades existem na hora de preparar e consumir o peixe cru? Acho que da próxima vez que você consumir a iguaria, viverá uma experiência gastronômica totalmente inovadora. Bom apetite!

 

Onde saborear um bom peixe cru em São Paulo?

Você pode se deliciar com pratos à base de peixe cru e outras dezenas de pratos da culinária japonesa no Djapa.

Eleito um dos melhores rodízios de comida japonesa pela revista Veja Comer & Beber São Paulo 2018/2019, o restaurante Djapa oferece um sistema inovador de rodízio com pratos tipicamente orientais, incluindo ostras, camarão, lula, entre outros.

O Djapa nasceu em 2004, na cidade de Arujá, região metropolitana de São Paulo. Anos depois, inaugurou sua segunda unidade, em Mogi das Cruzes (SP), e em 2014 chegou à capital paulista, com a casa de Moema, zona sul de São Paulo.

Com ambiente aconchegante e uma equipe sempre empenhada em atender bem, o Djapa funciona diariamente, no almoço e no jantar, com cardápio tradicional completo, menu executivo e vegetariano.

Além do reconhecimento da revista Veja, o Djapa foi escolhido como o restaurante japonês número 1 de São Paulo pelas avaliações do site TripAdvisor e ganhou o prêmio de melhor rodízio de comida japonesa da capital paulista pela revista Go Where Gastronomia e pela rádio Jovem Pan em 2019.

 

Se preferir, faça seu pedido pelo delivery!

As unidades Moema, Mogi e Arujá do Djapa atendem você pelo Biz Food! Para fazer seu pedido no Djapa Mogi, clique aqui. Se você está mais perto da unidade Moema, clique aqui. E para pedir os pratos do Djapa Arujá, clique aqui.

Você também pode fazer seu pedido pelo aplicativo iFood, escolhendo pratos das unidades Moema e Mogi.

Outra opção é pedir pelo telefone e retirar diretamente no restaurante, em horário agendado e com toda segurança. Contate-nos: 11 4726-8773 e 4726-5997 (Djapa Mogi) e 11 2691-2003 e 11 2691-2004 (Djapa Moema).

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *